Mais um corte na SELIC! E agora?

Fala pessoal!

Pra quem acompanha as noticias do mercado financeiro viu que a nossa famosa taxa SELIC renovou (mais uma vez) sua mínima histórica. Chegando no patamar de 3% a.a. menos Imposto de Renda.

Para quem investe aí por volta de 2015 sabe que com este mesmo investimento era fácil tirar mais de 1% ao mês e sem esforço, pois a SELIC estava em 14,25% a.a. e depois do impeachment e algumas mudanças no governo e Banco Central a nossa taxa SELIC veio num ritmo frenético de queda como na imagem a seguir:



Como deixei marcado aí no gráfico em 2013 a então "presidenta" Dilma tentou forçar a SELIC até o patamar de ~ 7,25% e que não deu muito certo. Pois o estimulo foi artificial e depois disso foi uma inflação galopante e um aumento novamente da taxa básica de juros.
Com as mudanças de governo citadas e as reformas sendo endereçadas o corte dos juros fazia sentido e a bolsa e empresas vinham numa boa crescente e os juros ficaram um período estáveis nos 6,5%.
Agora na minha visão o que estão fazendo com a SELIC é bem diferente dos messes anteriores e mais parecido com o que o governo Dilma. Não sou economista nem especialista de mercado, mas o sentimento que fica é este. O governo deixou claro que a taxa pode cair ainda mais, também comunicou que a inflação oficial está ainda baixa o que para eles é motivo de deixar os juros baixos também.
Mas o mercado que não é bobo nem nada, não comprou esta ideia. Outro titulo oferecido pelo governo que é de mais longo prazo são os IPCA+, estes são indexados a inflação e nos passam um premio de risco.
O tesouro IPCA+ 2035 que peguei a imagem mostra que o juro acima da inflação vinha em queda também refletindo menor risco até Março/2020 e depois deu uma bela disparada como na imagem:



Então comparados um gráfico com o outro me passa essa impressão de que o mercado não comprou a ideia de que está tudo bem com o Brasil e que o patamar da SELIC faz sentido. A fuga de capital estrangeiro está refletindo diretamente no câmbio e para nós investidores estamos quase que sendo enxotados para a Renda Variável pois o investimento em em RF pós fixada não vai vencer nem a inflação.
No meu caso quando a SELIC caiu dos 8% a.a. eu comecei a perceber que tinha boas empresas que só de dividendos pagariam mais do que era oferecido na RF e sem a incidência do IR e ainda poderia ganhar um adicional no preço da ação por causa do prêmio de se estar investido em ativos de risco. Foi aí que revi minha alocação para 70% RV e 30% RF e também por causa da minha idade e situação pessoal.

Hoje comparar os 3% a.a. da SELIC com Dividend Yeld dos grandes bancos, empresas de energia elétrica e saneamento e algumas empresas que até são de crescimento vamos ver que se ganhará mais mais e com mais riscos "óbvio" visto que os investimentos em bolsa brasileira em 2020 está no negativo . Mas se seu foco for investir por vários anos você pode ter uma parte maior em ativos de risco.

"Mas EI, você vai tirar seus investimentos em RF e colocar tudo em RV?"
É claro que não, pois ter renda fixa é importante sim para passar por períodos de crise como o de agora. O convite que faço neste artigo é uma reflexão para os investidores que ainda não tem ações na carteira ou tem bem pouco como 10/20%
Comece por estudar grandes empresas e empresas muito resilientes que a humanidade não pode viver sem e daí vá testando o recebimento de dividendos na visão anual. E se gostar comente aqui embaixo!

Como está o retorno da minha carteira de ações ao longo dos anos:

Em 2017 tinha pouca grana, poucos ativos e UNIP6 pagou 50% de DY o que jogou a média pra cima;
Em 2018 tive um retorno bom com uma carteira mais diversificada;
Em 2019 já tive um retorno acima da SELIC e isso fora a valorização dos papéis e detalhe, coloquei várias empresas de baixo DY e que são de crescimento;
Nesse ano de 2020 com a forte desvalorização da carteira e vários cortes programados dos dividendos já estou quase chegando no patamar da SELIC e quem sabe possa passa-lá.

A parcela que invisto em ações é uma grana que eu sei que não vou precisar. A parcela em RF é uma parcela que me deixa tranquilo mesmo com esse patamar de juros, e lá também tem um pouco de IPCA+ e tem também a Reserva de Emergência que deve ser o primeiro passo de todos que querem começar a investir.

Se estiver faltando algo que esqueci, comenta também. Vai ajudar muito!

Att. Engenharia dos Investimentos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carteira Ideal e sua Alocação de Ativos

5 Passos para Alcançar a Independência Financeira Mesmo Sendo Funcionário

Esqueça Tudo que Você Sabe Sobre Investimentos!